segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Santa Rosa de Lima:


Nasceu em Lima -Peru era da terceira odem Dominicana de claustro .O nome de batismo era Isabel Flores y de Oliva .Desde pequena teve grande inclinação a oração e meditação.Um dia estava rezando diante da imagem da Virgem Maria com menino jesus nos brãços,quando viu uma voz que dizia:Rosa dedique a mim todo ao seu amor.Então passou a amar só Jesus cortou os cabelos e usou véu.

Decidiu ingressar em um covento da ordem,agostina,entretanto diante da imagem da Virgem Santissima no dia de sua conversão sentiu que não podia nem mesmo se levanta nem com ajuda de seu irmão então percebeu que aquilo era aviso dos céus dizendo que não era para ir então fez uma prece a Nossa Senhora para curar a paralisia dessaparecesse por completo.A patir deste dia Rosa se inpirava em Santa Catarina de Siena como modelo e vida a ser segudo pediu a Deus que escolheçe a ordem que queria ingressar pecebeu entãon que cada vez que 9ia rezar aprecia uma borbolrta das cores preta e branca com este sinal viu que deveria ingressar na odem terceira Dominicana ingrssado com vinte anos,obteve a licença de emitir os votos religiosos em casa-e não ao convemto.Como terciaria Dominicana construiu para si uma cela no quintal de casa de seus pais deixou a vaidade o rigor e começoua fazer muitas penitencias cumprindo a risca do que Jesus disse:"Quem se humilha será exaltado".Entre as penitencias fazia muitos jejuns bebia muita pouca água e o mínimo era para sua sobrevivência.Dormia sobre dus tabuas olhando para o crucifixo dizia:'' Senhor asua Cruz, é muito mas crel que a minha".

Quando seu pai perdeu toda a fortuna ,Santa Rosa não se pertubou ao ser Domética pois tinha eta certeza:" Se os homens soubessem o que é viver em graça,não se assustariam com nenhum sofrimento e padeceriam a bom grado a qualquer pena,porque a graça é o fruto da paciência".Vivendo fora do covento renunciou a inúmeras propostas de casamento e de vida dificil dizendo:"O prazer ea felicidade que o mundom pode me ofereçer são simplesmente uma sobra em comparação do que sinto".A suas oração e penitencia conseguiu converter muitos pecadores.E até hoje é padoeira da América do Sul e das Fiipinas.

Santa Rosa de Lima:

domingo, 27 de junho de 2010

São Cirilo de alexandria


27 de junho

São Cirilo de Alexandria

Cirilo nasceu no ano de 370, no Egito. Era sobrinho de Teófilo, bispo de Alexandria, e substituiu o tio na importante diocese do Oriente de 412 até 444, quando faleceu aos setenta e quatro anos de idade.

Foram trinta e dois anos de episcopado, durante os quais exerceu forte liderança na Igreja, devido à rara associação de um acurado e profundo conhecimento teológico e de uma humildade e simplicidade próprias do pastor de almas. Deixou muitos escritos e firmou a posição da Igreja no Oriente. Primeiro, resolveu o problema com os judeus que habitavam a cidade: ou deixavam de atacar a religião católica ou deviam mudar-se da cidade. Depois, foi fechando as igrejas onde não se professava o verdadeiro cristianismo.

Mas sua grande obra foi mesmo a defesa do dogma de Maria, como a Mãe de Deus. Ele se opôs e combateu Nestório, patriarca de Constantinopla, que professava ser Maria apenas a mãe do homem Jesus e não de Um que é Deus, da Santíssima Trindade, como está no Evangelho. Por esse erro de pregação, Cirilo escreveu ao papa Celestino, o qual organizou vários sínodos e concílios, onde o tema foi exaustivamente discutido. Em todos, esse papa se fez representar por Cirilo.

O mais importante deles talvez tenha sido o Concilio de Éfeso, em 431, no qual se concluiu o assunto com a condenação dos erros de Nestório e a proclamação da maternidade divina de Nossa Senhora. Além, é claro, de considerar hereges os bispos que não aceitavam a santidade de Maria.

Logo em seguida, todos eles, ainda liderados por Nestório, que continuaram pregando a tal heresia, foram excomungados. Contudo as idéias "nestorianas" ainda tiveram seguidores, até pouco tempo atrás, no Oriente. Somente nos tempos modernos elas deixaram de existir e todos acabaram voltando para o seio da Igreja Católica e para os braços de sua eterna rainha: Maria, a Santíssima Mãe de Deus.

Cultuado na mesma data por toda a Igreja Católica, do Oriente e do Ocidente, são Cirilo de Alexandria, célebre Padre da Igreja, bispo e confessor, recebeu o título de doutor da Igreja treze séculos após sua morte, durante o pontificado do papa Leão XIII.

São João Batista:

São João Batista

João Batista, chamado o "homem enviado por Deus" era um profeta eremita e martir. Filho de Zacarias e Isabel, primo de Jesus. Nasceu em Ain-Karim ,perto de Jerusalém, e seu nascimento foi anunciado a sua mãe pelo anjo Gabriel .Ele vivei recluso em um deserto da judéia e depois começou a pregar as margens do Rio Jordão e batizando grande numero de penitentes. Finalmente Jesus Cristo veio para ser batizado por ele antes de ir a Galiléia para iniciar sua pregação. João continuou perto do Rio Jordão e foi preso a mando do Rei Herodes Antipas(4AC-39DC), rei da Perea e Galiléia,

(Diz a tradição que como João pregava com veemência, contra a relação de Herodes com sua amante e rainha Herodias, a filha Salomé de Herodias que ela uma bela mulher conseguiu seduzir Herodes e exigiu dele a cabeça de João em um bandeja em troca de seus favores) e foi subsequente decapitado.

João, o batista, é o precursor do Messias A tradição diz ainda que ele nasceu livre do pecado original e foi santificado ainda no útero de sua mãe .

Na liturgia da Igreja Católica sua festa e celebrada desde os primeiros anos da igreja católica no dia 24 de junho, e sua carreira como profeta é descrita nos evangelhos.

João é venerado com como um dos primeiros a seguirem um vida de austeridade monástica. Na arte litúrgica ele é mostrado batizando Jesus e com uma bastão que termina numa cruz.

É o santo padroeiro da amizade e sua festa é celebrada no dia 24 de junho.

As notas musicais e o hino à São João:

Amável colaboração da leitora Aline Lucas Guterres

As notas musicais dó, ré, mi, fa, sol, la, si foram retiradas de um hino em latim para São João Batista, por Guido ‘Arezzo, como abaixo:

"Utquent laxit

Ressonare fibris

Mira gestorum

Famuli tuorum

Solvi polluti

Labii reatum

Sancte joannes"

Com o passar do tempo Ut foi substituído por Dó, eSa por si.

SJoaoBat2.jpg (9364 bytes)

domingo, 20 de junho de 2010

Beata Margarida Ebner:


Margarida Ebner:

Margarida pertencia à família Ebner, muito rica e respeitada, da aristocracia alemã. Ela entrou no Mosteiro de Maria Santíssima em Medingen, da diocese de Augusta, e tinha apenas quinze anos de idade quando vestiu o hábito dominicano.

Depois, de 1314 até 1326, sofreu diversas e graves enfermidades, as quais quase a levaram ao fim da vida. Mais tarde, por causa da guerra, a comunidade monástica dispersou-se e Margarida voltou para a casa paterna, na qual continuou a viver totalmente reclusa, dedicada à oração e à penitência.

Quando tudo retornou ao normal, ela voltou para a clausura daquele mesmo mosteiro. Em 1332, conheceu o sacerdote Henrique Susso, hoje também santo, que logo se tornou o seu diretor espiritual. As duras provações físicas por que passou lhe proporcionaram adquirir os dons das revelações, das visões e das profecias. Tanto assim que ela escreveu em seu diário que no dia 1o de novembro de 1347 foi recebida em matrimonio espiritual por Jesus.
Margarida Ebner foi, sem dúvida, a figura central do movimento espiritual alemão dos "amigos de Deus". A sua espiritualidade segue o ano litúrgico e concentra-se na pessoa de Jesus Cristo.

O seu diário espiritual, escrito de 1312 até 1348, que chegou até os nossos dias, revela a vida humilde, devotada, caritativa e confiante em Deus de uma religiosa provada por muitas penas e doenças. Ela que viveu e morreu no amor de Deus, fiel na certeza de encontrar-se em plena comunhão com seu Filho Jesus, como sempre dizia: "Eu não posso separar-me de ti em coisa alguma". A beleza dessa alma inocente foi toda interior.

A santa humanidade de Jesus foi o divino objeto da sua constante e amorosa contemplação e nela reviveu os vários mistérios no exercício da virtude, no holocausto ininterrupto dela mesma, no sofrimento interno e externo, todo aceito e ofertado com Jesus, para Jesus e em Jesus. Margarida Ebner morreu no dia 20 de junho de 1351, no Mosteiro de Medingen, onde foi sepultada.

Sem dúvida, entre os grandes místicos dominicanos do século XIV, brilha a suave figura desta religiosa de clausura que conquistou o apelido de "Imitadora Fiel da Humanidade de Jesus". Em 1979, o papa João Paulo II ratificou o seu culto com sua beatificação, cuja festa "ad imemorabili" o mundo católico reverencia no dia do seu trânsito.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Milagres e Santos

Milagres:
Há pessoas especiais , que deixam suas marcas na história porque sobressaíram em sua passagem na terra e aos olhos de Deus podem realizar milagres. Eis alguns:

São Bento socorre um homem endividado

Um homem fiel, pressionado pela necessidade de pagar uma dívida, convenceu-se de que somente conseguiria achar remédio para sua situação, se apelasse ao São Bento e lhe expusesse a necessidade que o afligia. Foi ao mosteiro, e lhe expôs as importunas cobranças que sofria por parte de seu credor, por doze soldos que lhe devia. O venerável Pai lhe respondeu que não tinha os doze soldos, mas consolou-o em sua pobreza com estas palavras: "Vai e dentro de dois dias retorna aqui, porque hoje me falta o que quereria dar-te". Durante esses dois dias esteve ocupado na oração, como era seu costume. Quando no terceiro dia retornou o homem aflito com a dívida, e inesperadamente apareceram 13 soldos sobre a arca de trigo do mosteiro. O homem de Deus entregou-os ao necessitado, dizendo-lhe que pagasse os doze soldos e ficasse com um para outras despesas que tivesse.

Cura de envenenamento

Um homem sentia mortal inveja de seu inimigoe a tal ponto chegou seu ódio que colocou veneno na bebida dele sem que ele percebesse. O veneno não foi suficiente para tirar-lhe a vida, mas mudou a cor de sua pele, de modo que apareceram nela manchas semelhantes às da lepra. Levaram-no a São Bento e na mesma hora o homem envenenado recuperou a saúde, desaparecendo dele as manchas.

São Bento expulsa espírito maligno
Um dia, o demônio aproximou-se de um monge ancião que tirava água do poço e apossou-se dele, derrubando-o por terra e atormentando-o furiosamente. São Bento, ao retornar da oração, viu o que estava acontecendo com o monge e o quanto estava sendo cruelmente torturado. Imediatamente aplicou-lhe uma bofetada, retirando-se dele o espírito maligno e nunca mais ousou voltar.

São Bento devolve a vida a um menino morto

Certa ocasião, São Bento havia saído com os irmãos para trabalhar no campo, quando regressou ao mosteiro, encontrou um camponês desesperado chorando amargamente e que havia estado no mosteiro carregando nos braços o corpo de seu filho morto, procurando pelo venerável Bento.
Quando responderam-lhe que São Bento estava no campo com os monges, deixou o corpo do filho falecido junto à porta do mosteiro e, grandemente perturbado pela dor, saiu correndo em busca do venerável Pai que já estava regressando com os seus irmãos. Nem bem o avistou, o infeliz começou a gritar: "Devolve-me meu filho, devolve-me meu filho!"
Ao ouvir tais palavras, deteve-se o homem de Deus e lhe perguntou: "Por acaso eu roubei teu filho?" Ao que respondeu: "Ele morreu, ressuscita-o". Ouvindo isso, o servo de Deus entristeceu-se muito, dizendo: "Coisas dessas não cabem a nós, antes são próprias de santos Apóstolos. Por que quereis impôr-nos cargas que não somos capazes de suportar?"
Mas o infeliz, esmagado pela dor, persistia em seu pedido, jurando que não iria embora enquanto ele não lhe ressuscitasse o filho. Então São Bento perguntou: "Onde está ele?" Ao que o pai respondeu: "Junto à porta do mosteiro".
Lá chegando o homem de Deus com os irmãos, pôs os joelhos em terra e inclinou-se sobre o corpinho do menino e levantando-se em seguida, ergueu as mãos ao céu e disse: "Senhor, não leves em conta os meus pecados, mas a fé deste homem que pede que seu filho ressuscite . Faz voltar a este corpinho a alma que dele quiseste levar". Mal havia acabado de proferir tais palavras voltou a alma ao corpo do menino. Este estremeceu de tal modo que todos os presentes puderam apreciar com seus próprios olhos como se havia agitado com aquela sacudida maravilhosa. Bento, então, tomou a mão do menino e o devolveu vivo e são ao pai.


SANTO ANTONIO DE PÁDUA

Sermão aos peixes

Santo Antônio foi pregar na cidade de Rímini, onde dominavam os hereges que resolveram não ouvi-lo em hipótese alguma. Frei Antônio subiu ao púlpito e quase todos se retiraram e fugiram. Não esmoreceu e pregou aos que tinham ficado. Inflamado pela inspiração Divina, falou com tal energia que os hereges presentes, reconheceram seus erros e resolveram mudar de vida. Mas o Santo não estava contente com o resultado parcial . Retirou-se para orar em solidão, pedindo ao Altíssimo que toda a cidade se convertesse.

Saindo do retiro, foi direto às praias do Mar Adriático e, em altos brados clamou aos peixes que o ouvissem e celebrassem com louvores ao seu supremo Criador, já que os homens ingratos não queriam fazê-lo. Diante daquela voz imperiosa, apareceram logo os incontáveis habitantes das águas, e se distribuíram ordenadamente, cada qual com os de sua espécie e tamanho. Os peixes ergueram suas cabeças da água e ficaram longo tempo imóveis, a ouví-lo.

O prato envenenado

Alguns hereges resolveram matar Santo Antônio, envenenando-o. Convidaram-no para comer com eles, dando como pretexto debater sobre alguns pontos da Fé. Santo Antônio sempre aceitava comparecer a esses debates e polêmicas. Os hereges puseram diante dele, entre outros pratos, um que continha veneno mortal. Antes que o tocasse, Deus revelou-lhe a cilada e o Santo, conservando toda a calma, repreendeu os hereges pela traição. Vendo revelado o intento perverso, os hereges não se abalaram e responderam cinicamente: "É verdade que esse prato tem veneno, mas nós o colocamos aí porque desejamos fazer uma experiência: no Evangelho está escrito que Jesus Cristo disse aos seus discípulos que ainda que tomassem veneno mortal nenhum mal sofreriam e estamos querendo saber se és de fato discípulo de Cristo. Santo Antônio fez o sinal da Cruz sobre aquele prato e o comeu com apetite, saboreando a comida envenenada como se fosse alimento saudável, e nada sofreu, deixando mais uma vez os hereges confusos e assombrados.

O milagre da bilocação

No domingo de Páscoa enquanto pregava na Catedral, Santo Antônio lembrou-se de que fora designado para entoar a Alleluia, na Missa que se celebrava naquele momento na Igreja do Convento franciscano. Não querendo faltar com a obediência e não podendo descer do púlpito, parou um pouco, calou-se como se estivesse retomando a respiração e, nesse momento foi milagrosamente visto no Coro de seu convento, entoando a Alleluia. Esse prodigioso milagre de bilocação foi assistido e certificado por muitas testemunhas, espalhando-se a notícia em todos os locais.

Controle sobre o tempo

Num dia festivo, em Limoges, Santo Antônio pediu licença para pregar numa igreja paroquial. Como era imensa a sua fama,o povo deslocou-se para o local, mas o recinto era pequeno para acolher toda aquela gente e foi obrigado a pregar em praça pública. Mal havia começado o sermão, o céu escureceu, e muitos relâmpagos e trovões, anunciavam uma grande tempestade. O povo, atemorizado, começou a murmurar e já se dispunham a sair dali em busca de abrigo. Mas Santo Antônio pediu silêncio e, em nome de Deus, assegurou que não choveria naquele local, recomendando a todos que ficassem atentos à pregação. Tranqüilizados, os fiéis ouviram o sermão até o fim. Quando se retiravam para suas casas, verificaram com muita admiração, que embora estivesse perfeitamente seco o local da pregação, toda a redondeza estava completamente alagada pela chuva da forte tempestade.

Santo Antônio cura um louco

No meio de um sermão de Santo Antônio, entrou um louco e com voz alterada e gestos desordenados, perturbava os ouvintes, que não conseguiam prestar atenção nas palavras do pregador. De repente o louco disse: "Não sossegarei enquanto aquele homem (e apontou para Santo Antônio) não me der o cordão que usa na cintura". O Santo retirou o cordão e com ele envolveu o louco, que foi imediatamente curado.

Menino salvo pela fé

Santo Antonio pregava em Briba, quando uma senhora, apressada para assistir seu sermão, deixou sobre o fogo um caldeirão com água, sem se lembrar que seu filho pequeno ficaria só em casa. Ao chegar da pregação, viu com horror que o menino havia caído dentro do caldeirão e que a água estava fervendo. Bem se pode imaginar os gritos de desespero que deu a pobre mãe! Não ousava aproximar-se, certa de se encontraria a inocente vítima horrivelmente queimada e morta. Mas, cheia de fé em Santo Antônio, invocou-o e quando aproximou-se seu filho estava são e salvo, brincando e pulando na água fervente, sem que esta lhe queimasse.

Criada caminha sob forte chuva sem molhar as roupas

Certo dia, faltando alimentos no convento de Briba, Frei Antônio mandou que fossem pedir a uma senhora devota, proprietária de uma grande propriedade, a esmola de algumas verduras. Apesar de estar chovendo fortemente, a piedosa senhora ordenou a uma criada que fosse apanhar as verduras na horta, distante da casa. A criada obedeceu contrariada pois chivia muito. Foi quando se deu conta de que, apesar da chuva torrencial que caía, não estava molhando nem os pés, nem as roupas que vestia. Chegou à horta, colheu as verduras, foi entregá-las no convento e retornou à casa completamente seca. Tanto ela, quanto sua senhora, ficaram assombradas diante daquele prodígio e não cessaram de contar a todos, os altos merecimentos do Santo.

Santo Antonio ressuscita um morto

Vinha Frei Antônio e um companheiro de volta pelo caminho de uma aldeia, carregando grande peso às costas, quando encontrou no caminho um carroceiro que carregava um homem adormecido. O Santo muito cansado, pediu-lhe por amor de Deus que levasse alguns víveres que ele e seu companheiro haviam recebido de esmola para o sustento da comunidade. . O carroceiro respondeu rudemente que não podia fazê-lo porque estava conduzindo um defunto. O Santo acreditou, rezou pelo descanso eterno da alma do falecido e continuou seu caminho. Qual não foi o espanto do carroceiro quando, mais tarde, foi acordar o amigo que supunha adormecido e o encontrou realmente morto! Confuso e arrependido, foi em busca de Santo Antônio e prostrou-se aos seus pés, pedindo-lhe humildemente perdão. Frei Antônio se compadeceu do homem, aproximou-se da carroça e depois de uma curta oração, fez o sinal da Cruz sobre o cadáver e o ressuscitou.

Salvou um homem da morte por esmagamento

Durante a construção do convento de Leontino, aconteceu o seguinte milagre: Estava sendo transportada em uma carroça, uma grande pedra para o portal da igreja e ao ser retirada da carroça, caiu sobre o carroceiro esmagando-o, deixando-o quase morto. Frei Antônio, querendo por humildade ocultar seu dom de fazer milagres, disse aos presentes que invocassem o auxílio de São Francisco. Imediatamente o homem ferido levantou-se perfeitamente são, como se nenhum acidente tivesse ocorrido.

A cura de um menino paralítico

Aproximou-se de Santo Antonio uma mulher, trazendo nos braços um filho paralítico de nascença, e rogando em altos brados que o curasse. O Santo manifestou certo desagrado por aquela forma ruidosa de pedir, mas a mulher continuou a implorar. Tanto ela pediu e suplicou, que este, afinal, fez sobre o menino paralítico o "sinal da cruz", curando-o imediatamente. Com modéstia, atribuiu o milagre à fé da boa mulher e recomendou-lhe que não contasse o ocorrido à ninguém enquanto ele fosse vivo.

O Menino Jesus aparece para o Santo

Certa vez, Santo Antônio precisou de alojamento em Pádua e um senhor nobre da família dos Condes de Camposampiero, teve a honra de o acolher em sua casa. Certa noite, vendo do lado de fora do quarto de Frei Antônio, alguns raios de luz, aproximou-se e viu o Santo segurando nos braços um gracioso Menino que suavemente o acariciava. Ficou cheio de espanto por tão extraordinária maravilha, compreendendo que se tratava do Menino Jesus e que se tornara vísivel ao Santo para recompensá-lo com celestes consolações suas fadigas sofridas por sua glória. Enquanto ainda observava, o Menino desapareceu. Saindo do extâse, Frei Antônio deixou o quarto e dirigiu-se ao dono da casa, dizendo que sabia que ele o havia observado durante a aparição. Pediu então com insistência que não revelasse o que tinha visto. O senhor cumpriu a palavra, somente revelando o fato depois da morte do Santo. Tal fato o tocara profundamente e todas as vezes que o relatava, não conseguia reter as lágrimas.

Reconstitui um pé decepado

Um jovem chamado Leonardo confessou-se com o Santo e contou-lhe que levado pela cólera, havia dado um pontapé em sua mãe. Frei Antônio, para fazê-lo compreender a gravidade do pecado que cometera, disse-lhe: "Teu pé bem que merecia ser cortado". Essas palavras impressionaram tão fortemente o jovem, que este,chegando em casa, aterrorizado com o que fizera, cortou fora o pé, Na hora em que caiu ao chão, fez um ruido tão grande que sua mãe correu para ver o que estava acontecendo. Horrorizada com a cena e por saber as razões pelas quais o filho assim procedera, correu em busca de Frei Antônio, que foi apressadamente à casa do rapaz. Comovido pelo estado em que encontrou o rapaz, quase à beira da morte pelo sangue perdido, animou-o a ter confiança em Deus. O rapaz e o Santo, pegaram o pé cortado, recolocaram o pé no lugar. Imediatamente foi restaurado, cessando a dor horrível. Ficou tão perfeito como se nunca houvesse sido cortado, com apenas pequena cicatriz no lugar do golpe para testemunho do grande milagre realizado.

Morto falou em defesa do pai de Frei Antonio

Um rapaz foi assassinado perto da casa de Martim de Bulhões, pai terrestre de Santo Antonio e os assassinos, por malvadez, levaram o corpo para o quintal de Martim e ali o enterraram, sem que o propietário do terreno saoubesse. Mais tarde, foi descoberto pela Justiça o corpo na casa do infeliz fidalgo e este foi acusado pelo crime. Diante dos gravíssimos indícios de sua culpa, permaneceu quinze meses preso e, finalmente, estava sendo julgado e seria com certeza condenado à morte. Frei Antônio foi misteriosamente avisado do perigo que ameaçava seu pai. Santo Antonio foi imediatamente pedir ao Guardião do convento que o deixasse ausentar-se de Pádua, por pouco tempo de Pádua. Assim que foi autorizado, viu-se transportado num instante à Lisboa, indo direto ao tribunal e depois de beijar a mão de seu pai em sinal de respeito, tomou a sua defesa. Os juízes ficaram impressionados com o aparecimento daquele inesperado advogado e com a segurança com que ele falava, mas não se convenceram da inocência do réu, tantas eram as provas que tinham da culpa de Martim de Bulhões. Faltando testemunhas de defesa, Santo Antônio apelou para o depoimento da vítima. Os assistentes, surpresos com a estranha proposta, começaram a rir. Mas Frei Antônio insistiu e os juízes levados pela curiosidade, consentiram que ele chamasse o morto como testemunha da defesa. Chegados à sepultura do falecido, o Santo ordenou que a abrissem, e chamou o frio cadáver em voz alta, ordenando-lhe em nome de Deus que dissesse aos juízes a verdade sobre o seu assassinato. Imediatamente o morto levantou-se como se estivesse vivo e respondeu com voz sonora que Martim de Bulhões era inocente e não estava manchado pelo seu sangue. Em seguida, deitou-se na sepultura. Santo Antonio, depois de se despedir do pai, desapareceu. Ficaram os juízes e a assistência assombrados com o milagre que acabavam de presenciar, e o nobre Martim de Bulhões, graças ao seu santo filho, salvou a vida. Os verdadeiros culpados foram descobertos.

Salva novamente seu pai da prisão

Santo Anonio estava em Milão, depois de ter salvo seu pai da desonra e do descrédito. Martim de Bulhões era depositário, em Lisboa, de valores elevados pertencentes ao Rei, destinados ao pagamento de despesas relativas ao serviço público. Confiando em pessoas que não eram dignas, Martim adiantou quantias consideráveis a várias dessas pessoas que deveriam recebê-las, mas não lhes pediu os recibos. Quando chegou a hora da prestação de contas ao tesouro real, os indivíduos mentiram, negando ter recebido as quantias, e Martim foi preso, sendo seus bens embargados. Estava o Santo pregando numa praça de Milão quando soube que naquele momento, o pai estava diante dos juízes. Encostou-se no púlpito e naquela mesma hora apareceu em Lisboa, diante do tribunal. Saudou os juízes e depois, com ar severo, dirigiu-se aos mentirosos que negavam ter recebido o dinheiro: "Vós desafiais a Deus, negando que recebestes o dinheiro de meu pai. Ele confiou em vós, e vós lhe retribuís arrastando-o para a desonta, juntamente com sua família! Vós, em tal dia (e foi dizendo a cada um), em tal hora, em tal lugar, recebestes tal quantia. Confessai a verdade, se não quereis que Deus vos mande um terrível castigo". Os culpados confessaram que haviam mentido e o Santo ainda conseguiu dos juízes que fossem perdoados. Depois abraçou o pai, beijou-lhe respeitosamente a mão e no mesmo instante recomeçava em Milão o sermão interrompido!

Recupera os cabelos arrancados de uma mulher

Em Arezzo vivia um homem nobre, mas tão colérico que quando se irritava parecia perder o juízo. A esposa, senhora de muito siso e prudência, teve um dia a infelicidade de proferir umas palavras que irritaram o marido, a tal ponto que ele se atirou sobre ela espancando-a cruelmente, chegando a lhe arrancar os cabelos. Com os gritos da infeliz, os vizinhos correram para acudí-la, deixando-a quase morta na cama. O marido, depois de serenar, envergonhou-se do que tinha feito e lembrando-se da fama de Santo Antônio, foi procurá-lo arrependido, pedindo que o ajudasse. O piedoso Santo foi logo procurar a senhora, abençoando-a e fazendo o sinal da Cruz sobre ela, começou a rezar. Pouco a pouco ela foi recuperando o antigo vigor e milagrosamente, quando se ajoelhou aos pés do Santo, renasceu todo o cabelo.

Conserva um copo intacto e faz nascer uvas numa videira sem frutos

Um soldado espanhol, chamado Aleardino, que havia perdido a Fé, chegou à Pádua no dia do enterro de Santo Antônio. Jactando-se de sua incredulidade, segurou um grande copo de vidro e disse a muitas pessoas que o censuravam: "Se este copo ficar inteiro depois que eu o atirar àquelas pedras, acreditarei que esse padre faz milagres". E atirou o copo com toda a força, mas ele não se partiu. Abjurou então de seus erros, publicamente, e quis converter a um amigo, também incrédulo. Chegou, pois, ao amigo e lhe contou todo o acontecido, mostrando-lhe o copo objeto do prodígio. O amigo ouviu-o com risadas e sinais de desprezo, e respondeu: "Não acredito no que dizes. O que estás dizendo é tão impossível como aquela videira sem frutos, de repente, ficar carregada de ramos e cachos, e nós com suas uvas fizermos vinho para encher teu copo milagroso!" Mal acabara de falar, a videira se encheu prodigiosamente de folhas e belos cachos de saborosas uvas, as quais, espremidas por Aleardino, encheram o copo com seu licor maravilhoso. Esse copo ainda hoje se conserva no relicário da Basílica de Santo Antônio, em Pádua.

Anel desaparecido do Bispo de Córdoba é reencontrado

Muito devoto de Santo Antônio, o Bispo possuía um anel de estimação. Certo dia notou a falta dele: ou o tinha perdido, ou o tinham furtado. Passou-se muito tempo sem que o anel aparecesse. Um dia, estava o Prelado à mesa com alguns senhores seus parentes, quando casualmente falaram no poder de Santo Antônio para encontrar bens perdidos. Disse então o Bispo: "Tenho recebido grandes favores do Santo, mas ele ainda não ouviu as súplicas que lhe tenho feito para achar um anel que perdi". Mal tinha acabado de proferir essas palavras quando o anel desaparecido caiu no meio da mesa, à vista de todos, sem que ninguém soubesse explicar de onde veio.

Ajuda um Bispo a recuperar papéis perdidos

O Bispo D. Frei Ambrósio Catarino, grande escritor, estava saindo de Tolosa e levava na bagagem muitos papéis e apontamentos particulares e também um livro intitulado "A Glória dos Santos", para discutir com os hereges. Depois de caminhar muitos quilômetros, percebeu que haviam caído pelo caminho três escritos preciosos, frutos de muito trabalho. Com enorme tristeza, refez o caminho, para os encontrar. Procurou-os por todo caminho, mas tudo em vão. Lembrou-se então de Santo Antônio, dirigiu-lhe uma prece fervorosa, prometendo que se encontrasse os papéis, acrescentaria ao livro A Glória dos Santos a narração daquela graça de Santo Antônio. Nesse mesmo instante, aproxima-se dele um desconhecido que lhe pergunta se não havia perdido uns papéis e, ante a reposta afirmativa do Prelado, entrega-lhe os papéis tão desejados!